Imagine um jogo de tabuleiro que imita a vida real, mas no qual o objetivo não é ficar rico comprando e vendendo propriedades, como no Banco Imobiliário, nem alcançar sucesso em todas as etapas da vida, como no Jogo da Vida, mas aprender sobre a sociedade em que vivemos e suas regras não tão óbvias. Kapital! foi um sucesso de vendas na França, com estoque esgotado em três semanas.

Devido ao grande sucesso as editoras Autonomia Literária e Boitempo trouxeram o jogo para o Brasil. Lançado originalmente na França, em 2020, o jogo conta com um espectro variado de personagens dominados e dominantes. Na pele de um dominado ou de um dominante, os jogadores competem na tentativa de acumular o máximo de capital em todas as suas formas (financeiras, sociais, culturais e simbólicas) em um percurso repleto de reviravoltas e acontecimentos da conjuntura brasileira.

O objetivo deste jogo é ensinar e desconstruir, mostrar que as desigualdades sociais não são naturais, mas são o resultado de uma vontade política realizada em favor dos mais ricos. De forma lúdica e divertida, o jogo faz com que os participantes vivenciem e compreendam as relações de classe, ao longo de um percurso de 76 casas (média de vida no Brasil) que os conduzirá desde o nascimento até ao paraíso, seja fiscal ou não.

Mergulhado em uma luta impiedosa, você terá a vontade e o desejo de mudar as coisas. Para ter esperança de mudar o mundo, é preciso antes de mais nada compreendê-lo!

Objetivo do jogo:

  • Chegar em primeiro 
  • Inverter as relações de classe
  • Angariar o maior número de Kapital
  • Derrubar os mecanismos da dominação social para vencer a luta de classes!

Cada jogador desempenha uma função atribuída a ele no início do jogo. Existe apenas um dominante por jogo, que joga para manter seu status social (e seu dinheiro!). Os outros jogadores que jogam para derrubar as relações de classe são os dominados. Os jogadores se movem pelo tabuleiro rolando um dado. Para cada quadrado, eles puxam uma carta de ação correspondente à sua classe social (dominada ou dominante). Essas ações os fazem ganhar ou perder ingressos do Kapital. Casas especiais no tabuleiro trazem surpresas e reviravoltas e podem embaralhar  o resultado do jogo!

Sobre os criadores

Michel Pinçon e Monique Pinçon-Charlot são sociólogos, diretores de pesquisa no CNRS (Centro Nacional da Pesquisa Científica) e trabalham no CSU (Culturas e Sociedades Urbanas) do IRESCO (Instituto de Pesquisa sobre as Sociedades Contemporâneas) em Paris, França.

O nosso jogo de tabuleiro foi inteiramente concebido a partir da sociologia crítica. Colocamos em prática os conceitos de Karl Marx e de Pierre Bourdieu, as teorias da exploração e da dominação, decorticadas e misturadas, aplicadas à classe dominante”, explica a socióloga Monique Pinçon-Charlot, dizendo que, como nos jogos mencionados acima, este se joga com dados e cédulas e pode ser disputado por dois a seis jogadores.

Segundo a socióga, Kapital! ajuda na “compreensão da gravidade da situação que os países capitalistas atravessam, incluindo o Brasil, com uma oligarquia globalizada que promove a guerra contra o povo”.

Eu acho que é um jogo necessário para o Brasil também.  A gente não pensou nisso quando o criou, mas ele pode ser adaptado a diferentes realidades. Todos os países hoje são regidos pelo FMI e pelo Banco Mundial, por um sistema capitalista de tipo neoliberal, onde a finança tem todo o poder”, afirma.

Monique revela que já tem pedidos de direitos de adaptação na Espanha, na Itália, na Alemanha e na Sérvia. “Os textos têm que ser adaptados às conjunturas nacionais específicas”.

O que nós fazemos neste jogo é ‘pleonasmar’ o real”, resume.

Origem: França

Ficha técnica:

Título original: Kapital! Qui gagnera la lutte des classes
Coordenação Geral: Ivana Jinkings e Cauê Ameni
Concepção: Michel Pinçon e Monique Pinçon-Charlot
Ilustração original: Étienne Lécroart
Versão brasileira: Guilherme Temudo Cianfarani
Edição: João Candido Maia
Tradução: Gabriel Voliche
Consultoria: Deivison Mendes Faustino
Diagramação e ilustração versão brasileira: Gabriela Leite e Denise Dom
Revisão: Carolina Mercês e Lívia Campos
Páginas (manual): 14 páginas
Dimensões da caixa (cm): 32 x 21 x 6
Dimensões do tabuleiro (cm): 56 x 39
Jogadores: 2 a 5
Peso (kg): 1,183
Idade recomendada: a partir de 14 anos
Tempo de partida: 45' a 50'
ISBN: 978-65-57171-196
Editoras: Boitempo e Autonomia Literária
Impressão: Ludograf  e Copag (cartas)
Ano de lançamento: 2022
© editions La ville brüle

Componentes:

1 dado 
1 tabuleiro 
16 personagens 
400 em dinheiro 
100 cartas de ação 
1 manual de regras do jogo

 

Kapital! Quem ganhará a luta de classes?

R$280,00
Esgotado
Kapital! Quem ganhará a luta de classes? R$280,00

Imagine um jogo de tabuleiro que imita a vida real, mas no qual o objetivo não é ficar rico comprando e vendendo propriedades, como no Banco Imobiliário, nem alcançar sucesso em todas as etapas da vida, como no Jogo da Vida, mas aprender sobre a sociedade em que vivemos e suas regras não tão óbvias. Kapital! foi um sucesso de vendas na França, com estoque esgotado em três semanas.

Devido ao grande sucesso as editoras Autonomia Literária e Boitempo trouxeram o jogo para o Brasil. Lançado originalmente na França, em 2020, o jogo conta com um espectro variado de personagens dominados e dominantes. Na pele de um dominado ou de um dominante, os jogadores competem na tentativa de acumular o máximo de capital em todas as suas formas (financeiras, sociais, culturais e simbólicas) em um percurso repleto de reviravoltas e acontecimentos da conjuntura brasileira.

O objetivo deste jogo é ensinar e desconstruir, mostrar que as desigualdades sociais não são naturais, mas são o resultado de uma vontade política realizada em favor dos mais ricos. De forma lúdica e divertida, o jogo faz com que os participantes vivenciem e compreendam as relações de classe, ao longo de um percurso de 76 casas (média de vida no Brasil) que os conduzirá desde o nascimento até ao paraíso, seja fiscal ou não.

Mergulhado em uma luta impiedosa, você terá a vontade e o desejo de mudar as coisas. Para ter esperança de mudar o mundo, é preciso antes de mais nada compreendê-lo!

Objetivo do jogo:

  • Chegar em primeiro 
  • Inverter as relações de classe
  • Angariar o maior número de Kapital
  • Derrubar os mecanismos da dominação social para vencer a luta de classes!

Cada jogador desempenha uma função atribuída a ele no início do jogo. Existe apenas um dominante por jogo, que joga para manter seu status social (e seu dinheiro!). Os outros jogadores que jogam para derrubar as relações de classe são os dominados. Os jogadores se movem pelo tabuleiro rolando um dado. Para cada quadrado, eles puxam uma carta de ação correspondente à sua classe social (dominada ou dominante). Essas ações os fazem ganhar ou perder ingressos do Kapital. Casas especiais no tabuleiro trazem surpresas e reviravoltas e podem embaralhar  o resultado do jogo!

Sobre os criadores

Michel Pinçon e Monique Pinçon-Charlot são sociólogos, diretores de pesquisa no CNRS (Centro Nacional da Pesquisa Científica) e trabalham no CSU (Culturas e Sociedades Urbanas) do IRESCO (Instituto de Pesquisa sobre as Sociedades Contemporâneas) em Paris, França.

O nosso jogo de tabuleiro foi inteiramente concebido a partir da sociologia crítica. Colocamos em prática os conceitos de Karl Marx e de Pierre Bourdieu, as teorias da exploração e da dominação, decorticadas e misturadas, aplicadas à classe dominante”, explica a socióloga Monique Pinçon-Charlot, dizendo que, como nos jogos mencionados acima, este se joga com dados e cédulas e pode ser disputado por dois a seis jogadores.

Segundo a socióga, Kapital! ajuda na “compreensão da gravidade da situação que os países capitalistas atravessam, incluindo o Brasil, com uma oligarquia globalizada que promove a guerra contra o povo”.

Eu acho que é um jogo necessário para o Brasil também.  A gente não pensou nisso quando o criou, mas ele pode ser adaptado a diferentes realidades. Todos os países hoje são regidos pelo FMI e pelo Banco Mundial, por um sistema capitalista de tipo neoliberal, onde a finança tem todo o poder”, afirma.

Monique revela que já tem pedidos de direitos de adaptação na Espanha, na Itália, na Alemanha e na Sérvia. “Os textos têm que ser adaptados às conjunturas nacionais específicas”.

O que nós fazemos neste jogo é ‘pleonasmar’ o real”, resume.

Origem: França

Ficha técnica:

Título original: Kapital! Qui gagnera la lutte des classes
Coordenação Geral: Ivana Jinkings e Cauê Ameni
Concepção: Michel Pinçon e Monique Pinçon-Charlot
Ilustração original: Étienne Lécroart
Versão brasileira: Guilherme Temudo Cianfarani
Edição: João Candido Maia
Tradução: Gabriel Voliche
Consultoria: Deivison Mendes Faustino
Diagramação e ilustração versão brasileira: Gabriela Leite e Denise Dom
Revisão: Carolina Mercês e Lívia Campos
Páginas (manual): 14 páginas
Dimensões da caixa (cm): 32 x 21 x 6
Dimensões do tabuleiro (cm): 56 x 39
Jogadores: 2 a 5
Peso (kg): 1,183
Idade recomendada: a partir de 14 anos
Tempo de partida: 45' a 50'
ISBN: 978-65-57171-196
Editoras: Boitempo e Autonomia Literária
Impressão: Ludograf  e Copag (cartas)
Ano de lançamento: 2022
© editions La ville brüle

Componentes:

1 dado 
1 tabuleiro 
16 personagens 
400 em dinheiro 
100 cartas de ação 
1 manual de regras do jogo